Um outro mundo

08maio08

A Folha de hoje traz um artigo de Slavoj Zizek intitulado “O Tibete não é tudo isso”. O artigo dá o que pensar. Ele questiona os lugares comuns que a imprensa veicula sobre os “fatos recentes no Tibete”, a saber, aqueles relacionados com a ocupação do Tibete pela China. Zizek enfatiza as medidas de modernização tomadas pela China, diante de um país “feudalista”, ao ponto de dizer que “nunca, em toda a história, os tibetanos medianos desfrutaram de um padrão de vida comparável ao que têm hoje.” Na parte em que discute a espiritualidade tibetana diz que há hoje um “fascínio pelo Tibete” que o converte em uma “entidade mítica sobre a qual projetos nossos sonho. Assim, quando as pessoas lamentam a perda do autêntico modo de vida tibetano não estão, na verdade, preocupada com os tibetanos reais. O que querem dos tibetanos é que sejam autenticamente espirituais por nós em lugar de nós mesmos o sermos, para continuarmos a jogar nosso desvairado jogo consumista”.

Nesse ponto ele invoca Deleuze, que escreveu: “Se você está preso no sonho de outro, está perdido”.  E lembra que aqueles que protestam contra a China “estão certos quando contestam o lema olímpico de Pequim, ‘Um mundo, um sonho’, propondo, em lugar disso, ‘um mundo, muitos sonhos’.  Mas eles devem tomar consciência de que estão prendendo os tibetanos em seu próprio sonho, que é apenas um entre muitos outros.” 
A partir desse momento Zizek mostra seu verdadeiro alvo e passa a discutir as relações entre o capitalismo chinês e a democracia política.  Digo isso porque essa idéia de fascínio por alguém ou algo autenticamente espiritual pode ser encaixada em muitas outras situações, começando pelo bispo da paróquia. 
Qual é o problema das relações entre o capitalismo chinês e a democracia política? A combinação entre capitalismo e governo comunista teria se mostrado uma benção; com outro tipo de governo a China não estaria chegando aonde está; e nada nos garante, diz Zizek, que a prometida etapa da democracia chegará um dia. Ele conclui perguntando: que tal se a combinação entre o chicote asiático e o mercado acionário europeu se mostrar economicamente eficiente que o nosso capitalismo liberal e assinalar que a democracia, “tal como a conhecemos, não é mais condição e motor do desenvolvimento econômico, e sim um obstáculo a ele?”
Bueno, a democracia, como a conhecemos, deve ser reinventada a cada dia, não? 
Como se diz no campo, a longo prazo todos seremos chineses. Mas isso não quer dizer que todos seremos taipas.
Anúncios


No Responses Yet to “Um outro mundo”

  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: