O estado das coisas

30maio08

A. é psicóloga e trabalha na Fundae. Ela estava preparando exames de direção para portadores de necessidades especiais quando a gurizada foi entrando. Logo percebeu que era algo diferente, eram muitos, ruidosos e foram entrando sem pedir licença. Começava a ocupação da Fundae. A. foi minha aluna, faz uns quatro anos e veio conversar comigo quando estacionei a lambreta na frente da Fundae e fui assuntar, despacito, como convém numa tarde de sexta-feira, no final do expediente. Um garoto enterrado embaixo de um gorro vermelho me entregou um folheto, já devidamente xerocado dentro da Fundae, onde explicava que o Deceé da Ufurgs, o Coletivo “atéquandoesperar”, o Dafil da Ufesm, e mais o  Dacs, DAfedcd, Dafe, Cecs, etc, queriam protestar contra a “mercantilização do ensino  hoje representada nas universidades pelas fundações ditas de apoio”.

Bueno, pensei, e depois ufa, se eu morrer de enfarte amanhã – que bem me deu uma dormência no braço esquerdo ontem – o  mundo segue desse bom jeito, a gurizada botando a boca nele. A Brigada por ali, bem educada, não parecia querer cututar ninguém com as borrachas. Me lembrei de muita coisa. A principal dela foi das várias vezes que ficamos presos na Reitoria, dentro ou fora dela, pelos estudantes, junto com o Benetti, o Pistóia, o Ronaldo, Antoninho, Aldema, Daudt, Adalberto e tantos outros; em tantos protestos, que foram rareando com o tempo. Os últimos reitores, incluindo o ex, somente sabem disso por ouvir dizer, nunca passaram por um corredor polonês. A gente tirou pós-graduação nisso. 

A minha maneira de ver essas coisas, pensei em dizer isso para a A. e para o fotógrafo que estava por ali documentando, é que se trata de uma certa forma de saúde social; sair dos interesses privados e gastar energia em coisas que possam dizer respeito ao público custa um monte de energia individual; e por menos que eu seja freudiano e hidráulico na forma de pensar a sociedade,  acho interessante a idéia que cada um de nós já foi um dia mais interessado em coisas políticas e sociais, e em outro nos sentimos bem mais distantes e alienados dessas coisas públicas. [Sobre isso, o grande livro continua sendo a pequena brochura de Hirschmann, De consumidor a cidadão. Em algum bom sebo se encontra esse livro.] Pois bem, essa gurizada mostra que a capacidade e a demonstração de voz (o protesto) mostra que estão dispostos a manter a lealdade (aceitar as leis, por exemplo, pois aceitam o julgamento dos acusados na Justiça), e com isso não estão apontando para a saída (lubrificar os bodoques, por exemplo).

Se a burguesia lesse, ao menos, não ficaria escandalizada com a invasão da Fundae. Poderia até ficar contente. Isso, se lessem bons livros. Mas isso seria pedir demais. 

Minha ex-aluna, A. estava preocupada, será que a gurizada iria estragar as coisas lá dentro? Não sei, espero que não, eles pediram, no panfleto, que o Prefeito Valdeci estivesse presente na saída da ocupação para garantir a segurança, e que a imprensa registrasse o estado das coisas antes da saída deles. Não sei se Valdeci apareceu por lá. E sei lá o que a imprensa vai dizer amanhã. Espero que sejam bom leitores, em todo caso.

Quanto a minha querida ex-aluna A., espero que ela tenha tido um fim de tarde compatível com o inusitado da mesma.  Quanto ao protesto em si me ficou um pernilongo zoando, pois em nenhum momento do panfleto os ocupantes falam em justiça. Seria um flerte com a lubrificação dos estilingues? Bueno, gurizada, acho que faltou algo por ali.

Anúncios


2 Responses to “O estado das coisas”

  1. Olá… seguindo a indicação da professora Sandra de Deus vim até aqui.

    Senti uma nostalgia neste texto. Será que vou pensar nos meus/minhas camaradas daqui há alguns anos vendo outros estudantes em passeatas, greves, ocupações?

    O que será do nosso futuro como integrantes do movimento estudantil que não se renderam à academia e aos belos gabinetes governamentais?

    Não sei nenhum dessas e de tantas outras respostas, mas fico feliz que tenhamos te levado até a Fundae naquela tarde de sexta, fria para o pessoal da capital, nem tanto para os de Santa Maria.

    Fiquei feliz também de ler um texto muito bem escrito sobre nossa ação e que algumas pessoas, várias, leram.

    Até a próxima.

  2. 2 ronairocha

    Rodolfo, manda um grande abraço para a Sandra de Deus, uma das grandes culpadas por coisas como minhas participações no rádio, que hoje levo adiante na forma desse blogue. Obrigado por essa amável visita.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: