A Bússola

15abr09

Juan Amoretti é o autor do monumento que aos poucos toma forma na Avenida Roraima, chamado de “A Bússola”. Amoretti é professor aposentado da Ufesm e criou agora essa situação para nós: vamos ter que olhar para aquele monumento todos os dias ao chegar no Campus da Ufesm e pensar um pouco sobre nossos critérios de apreciação artística. Ponto para o Amoretti. Normalmente eu gosto das obras dele, mas quero dizer que desgostei dessa bússola assim que a entendi melhor hoje, quando finalmente apareceu um rosto estilizado nela. Na minha ignorância das artes plásticas, fiquei com a impressão que haverá, no final da obra, um excesso de informação: cinco cores feitas com mosaicos, quatro pontas que despontam em uma forma que imita o mapa do Rio Grande, quatro letras indicando os pontos cardeais, mais uma base para sustentar tudo; e no meio disso tudo um rosto? Um certo predomínio de cores da bandeira do Rio Grande dá o toque final.

A Bússola me deixou meio desorientado quando a vi hoje como que pela primeira vez. Acho que vai entrar para uma nova lista pessoal: uma coisa do  Amoretti que, como se diz no campo, periga eu não gostar. Mas, como se diz, é gosto.

Anúncios


3 Responses to “A Bússola”

  1. Olá Ronái, como vais?
    Eu mesmo tiro um ponto do Amoretti.
    Eu olho para aquele totem e só vejo um palhaço colorido me olhando. Sou o menor dos anões desta paróquia, mas que cousa medonha é aquilo, meu tino estético está me avisando para esquecer que aquilo existe, que aquilo está ali para enfeitar uma rua. Uma universidade não é um circo, por mais que nossa ufesm se esforce por manter o picadeiro funcionando vez ou outra (mais vez e mais outra, com sonora redundância). Será que alguém viu a proposta do Amoretti antes dela ser erigida? Aquela carinha boçal vai assombrar a entrada da universidade por décadas (ou até que alguém faça melhor uso dela, como alguns petersburguenses fizeram com a estátua do Lenin noutro dia).
    Paranóia ou mistificação, disse o Lobato décadas atrás. Que tolice, digo eu! Sorte de quem esquecer de olhar para aquilo quando entrar na ufesm.
    Até +
    Guina

  2. 2 Eduardo

    Pessoalmente eu não gostei desse monumento. Se a gente reparar os pontos cardeais não estão corretos com a geografia: o N aponta para o S geográfico. De fato não tenho idéia do significado do novo elefante-branco da cidade de Santa Maria. Fazer o que, como foi dito aqui, não sei se a totalidade dos que fazem parte da Ufsm concordou com o projeto. Por décadas vamos ter que suportar isso. Mas…faz jus à uma Universidade cuja entrada é ladeada por dois esgotos a céu aberto.

    • 3 Fabiane

      Concordo plenamente contigo, é vergonhoso termos este esgoto cloacal na entrada de uma universidade federal e ninguém faz nada, já faz parte da vida das pessoas que por ali transitam, já se acostumaram …


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: