A tríplice aliança

06jun09

O texto a seguir está na Folha de S. Paulo de hoje, 7 de junho de 2009, e é de autoria de Gilberto Dimenstein. Taí um tema que vale a pena levar adiante.
“Na semana passada, o sindicato dos professores de São Paulo tentou uma greve contra, entre outros pontos, a obrigação de os aprovados em concurso fazerem um curso antes de entrar na sala de aula e o exame periódico dos docentes temporários. O sindicato conseguiu, neste ano, com um recurso na Justiça, que mesmo os professores que tiraram zero numa prova continuassem dando aula. Em seu histórico, estão a defesa do absenteísmo e o ataque ao bônus por mérito.
Com apoio de alunos, professores entraram em greve na USP: além das reivindicações salariais, pede-se o fim da implantação dos cursos a distância, numa demonstração de fobia à tecnologia, teoricamente inaceitável num ambiente universitário. Sem contar aqui o elitismo.
A tentativa de greve do sindicato dos professores das escolas estaduais foi um fracasso -talvez pela percepção de que seria um desgaste diante da opinião pública. É óbvio que quanto mais formação e mais exigências aos professores, além de mais vagas nas universidades, melhor para os mais pobres.
Mas, em geral, as pessoas costumam imaginar que, onde está o sindicato ou partidos de esquerda, está a luta contra a desigualdade e a injustiça. Não é o que acontece quando a conquista de categorias ocorre em prejuízo das camadas mais vulneráveis da população.

Pode parecer estranho à primeira vista, mas, em muitos casos, lideranças empresariais estão à esquerda das sindicais. Uma pesquisa sobre a visão da elite da América Latina realizada pelo Núcleo de Pesquisas em Relações Internacionais da USP, divulgada pelo jornal “Valor Econômico”, mostrou que, entre os entrevistados brasileiros, 54% acham que a grande tarefa de um governo é cuidar da educação. Nesse quesito, nossa elite superou, com folga, as elites de Chile, México, Argentina, Bolívia e Venezuela.
Está virando um caso de estudo em Harvard, o movimento de lideranças empresariais batizado de “Todos pela Educação”. Pela primeira vez, a sociedade cria metas de ensino, para cobrar mais e melhores ações de governo. O motivo desse movimento é a convicção mostrada num artigo, na semana passada, na revista “The Economist” -a baixa educação dificulta o crescimento econômico no Brasil.

Nem remotamente se vê o mesmo empenho de lideranças sindicais em colocar a educação no topo da agenda, apesar do fato óbvio de que filho de trabalhador estuda em escola pública. Muitas vezes, aliás, essas lideranças bancam o corporativismo estúpido que acaba, em sala de aula, prejudicando os alunos -de novo, filhos de seus associados. Isso ajuda a explicar um absurdo, verificado pelas pesquisas opinião: o rico está mais incomodado com a qualidade das escolas públicas do que o pobre.

Se o aprendizado sobre a praga do corporativismo se aprofundar, mostrando o custo para os mais pobres, talvez seja um dos principais temas da sucessão presidencial. Lula gastou muito, mas muito mais, aumentando salários e empregando funcionários públicos, do que com a Bolsa Família, seu principal programa social.
Daí se explica como manter o funcionalismo razoavelmente calmo -até porque transformou muitos cargos estratégicos em cabide de emprego para sindicalistas e líderes de movimentos sociais.

PS – Apenas 5% dos alunos que concluem o ensino médio na rede estadual de São Paulo dominam adequadamente a leitura e a escrita. Mesmo assim, questionados sobre como vai a educação, 47% dos mais pobres e menos escolarizados estão plenamente satisfeitos, apontando-a como ótima ou boa. Entre os mais ricos, o nível de ótimo e bom é igual ao de ruim e péssimo: 33%.
Não vai ser fácil mudar rapidamente a situação se tanta gente mostrar tanta ignorância sobre o que ocorre nas escolas públicas, vítima de uma tripla aliança: a incompetência governamental, a mediocridade sindical e omissão familiar.”

Anúncios


One Response to “A tríplice aliança”

  1. Boa discussão, amigo Ronai. Mas dificilmente encontrará eco por cá. Talvez por lá. O que não é muito. Mas quem sabe é um início. Queeem sabe…


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: