Archive for fevereiro, 2011

O depoimento de Jorge Luis Borges segue assim: “Assim: o reluzir de uma faca diante de meus olhos, e um corpo cair sem gritos. Era a morte, em toda a sua essência, como um documento. No momento aceitei esta cena sem turbamento, me pareceu um fato natural. Lembro que foi uma briga entre um negro […]


Dona Zelma, senhora minha mãe, revelou hoje, enquanto tomávamos um chope no Augusto, que as ervilhas da Swift sempre foram as melhores. Disse a ela que minha memória infanto-gastronômica estava associada não apenas às ervilhas enlatadas em Rosário do Sul, a poucos quilômetros de nossa casa, mas também às salsichas, às presuntadas, ao corned-beef, enlatados […]


Férias são uma espécie de trégua, disse a Diana Corso, dias atrás na ZH. Trégua é um intervalo nos combates da vida, mas, no caso das férias pode ser uma metáfora para a gente sair do normal: fazer um curso de pedreiro, montar em camelos no Egito, visitar Machu Pichu ou passar trinta dias cuidando […]


Seu Adão foi fotógrafo durante muitos anos, canonzeiro de fé do tempo do filme em preto-e-branco. Entre outras lidas conheceu de perto o funcionamento de um dos maiores frigoríficos da América Latina, a Swift, de Rosário do Sul. Eu o encontrei na marmoraria de sua propriedade, no mesmo Rosário. Ela funciona no, digamos assim, distrito […]


O testaveio de compreensão que um vivente comum pode se permitir normalmente é de poucas braças: o mercado da carne que escasseia, entupimento de artérias, certos aquecimentos do ambiente, escasseamento de leitores de livros nas proporções das gentes: pequenos mundos, acerca dos quais arriscamos pensar que tudo se liga com tudo, em feitios que escapam […]