“Uma consequência surpreendente e fascinante…”

25maio12

“Uma surpreendente e fascinante consequência da ideia que precisamos da compreensão para perceber é que nos é impossível perceber uma novidade real. Schubert sugeriu isso quando explicou porque não é difícil escrever grandes músicas. Você precisa apenas fazer surgir novas melodias que soem como se fossem familiares”. A frase, uma iluminadora anedota de Schubert, está no maravilhoso livro de Alva Noe, Varieties of Presence,(Harvard, 2012, p. 20). Não sei bem porque, mas fiquei pensando numa variação dela, para pensar sobre as dificuldades de percepção e compreensão do momento sindical que vivemos na Ufesm.

Anúncios


2 Responses to ““Uma consequência surpreendente e fascinante…””

  1. 1 Ricardo Napoli

    Oi Ronai.
    Fiquei aqui de longe tentando imaginar a novidade. Mas a comparação ou analogia que fizeste me parece estranha. Não entendi as entrelinhas. Será que alguém esta percebendo mal as coisas, digo alguém no movimento sindical?
    Não estariam nossos salários ficando defasados em relação a outras categorias funcionais do mesmo nível na adm federal?
    E o Schubert o que tem a ver com isso?
    Anbraco,

    • Oi Ricardo, como vais? Por aquí as coisas andam um pouco estranhas, tem mais entrelinhas do que estamos acostumados. Para que tenhas uma idéia, na assembléia que votou pela breve, metade dos votos da aprovação, em torno de quarenta ao todo, eram de professores lotados em Frederico Westphalen, que haviam decidido pela breve lá em FW e vieram em caravana para participar da assembléia local. Como a assembléia de FW havia decidido pela breve, sob o patrocinio da Sedufesm, muitos assembleistas acharam que a breve na Ufesm já estava decretada, e que se havia algo a ser votado era para se sair da greve…
      Quanto aos nossos salários estarem defasados em relação a outras categorias federais do mesmo nivel, é certo que sim. Mas a greve, nos diz a Sedufesm, não é centrada nos salários.
      O Schubert entra para ver se disso sai alguma sintonia da gente com a gente mesmo, eu acho! Um grande abraço e bom trabalho aí na Oxford. By the way, como são as greves aí em Oxbridge, já que os salários são so-so?


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: