A política como cavaleirismo

16jul15

BH4H6121-1A Política como Vocação (1919), de Max Weber é um livro notável. Weber conta ali a história de um sujeito que deixa de amar a esposa e passa a gostar de outra. Claro, ele abandona a primeira em favor da segunda. Não contente com apenas fazer isso, ele sente-se obrigado a oferecer para si mesmo uma explicação para seu gesto. Ao invés de dizer simplesmente (para ele e para a deixada) que não gosta mais dela, ele elocubra razões para sua decisão e diz, por exemplo, que ela o decepcionou por isso e aquilo e aqueloutro. Assim, como se não bastasse o fato de ter sido abandonada, a cuja vira culpada. E o sujeito acha uma legitimidade qualquer em virtude da qual ele pretende ter razões para fazer a troca de mulheres. Com esse curioso exemplo Weber quer introduzir uma das dificuldades da política, que ele chama de o vício clerical de querer ter sempre razão.
Para explicar-se melhor, Weber continua com a história desse tipo de sujeito. Quando um homem assim compete com outro homem pelo amor de uma mulher (nos tempos atuais a gente teria que adaptar o exemplo, não? Mas deixa assim, por enquanto…) e vence, ele fica convencido que seu rival vale menos, pois perdeu a batalha para ele.
Assim pensa o sujeito: quando ele ganha, é porque tem razão. E quando ele perde, é porque … tem razão!
O que é a ética, nessa perspectiva, senão apenas um meio do sujeito se convencer que a razão está sempre com ele? O sujeito da história de Weber nunca perde uma batalha, nunca perde uma eleição e nunca perde uma greve. Afinal, ele está santificado pelos fins que proclama com sua boca grande e alma mais inflada ainda. Ele sempre está à cavalo na razão. Tem razão quando ganha, tem razão quando perde.
Os valores do cavalheirismo, da dignidade e da objetividade são apenas uma flor roxa e murcha no altar de suas boas intenções.
A política, entre nós, parece ser feita cada vez mais com cavaleirismo.

Anúncios


One Response to “A política como cavaleirismo”

  1. 1 Róbson

    Ronai, meu velho! Seus posts trazem à lembrança pensamentos não tão antigos. Um deles: a razão é TOTAL para os que têm consciência crítica esclarecida, conhecem as leis da história e são politicamente formados. Em sendo total, segue-se que à divergência alienada resta apenas ser conscientizada, inibida como força política e reeducada (nos campos apropriados). Não foi Weber quem disse que o alvo da crítica “não é um inimigo que ela procura refutar, mas destruir.” Por isso, não surpreende que outras flores tenham murchado naquele altar. Quando o cinismo for o todo, e as pautas paroquiais que você tem descrito dão sinais de que a hora está próxima, ficaremos sem voz e saída? Um abraço.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: