Sobre mais esta mudança

Desculpem-me por mais esta mudança. Fiz mal em não dar ouvidos à Maíra e ao Gilson e a outros; insatisfeito com o Blogspot, tentei mais uma vez e foi ainda pior; perdi o controle sobre várias formatações e o tiro saiu pela culatra; decidi, assim, experimentar o wordpress. Trouxe para cá as postagens maiores do antigo Coisas do Campo, mas ficaram por lá os comentários e algumas outras.

Anúncios

19 Responses to “Sobre mais esta mudança”

  1. Olá Ronái, como vais?
    Não se preocupe, você muda de endereço mas a gente te acha e segue feliz. Longa vida as “cousas do campo”.
    Guina

  2. 2 ronairocha

    Aguinaldo, obrigado pela amável visita, sempre benvinda. Fique a vontade, a casa é pequena mas o mate é bem cevado.

  3. Bem-vindo ao WordPress, professor. E obrigado por linkar o Litost ao Coisas do Campo. 🙂

  4. 4 James Pizarro

    Zapeando pela net como faço diuturnamente, te encontrei, Vivente !!!
    Dá uma olhadinha no

    http://www.professorpizarro.blogstop.com

    E vamos trocar figurinhas.
    Estou morando em Canasvieiras, a 20 metros do mar…caminhando 5 kms por dia…puxando rede com os pescadores manezinhos e ganhando tainha de presente…dando comida pros cães errantes na areia…conversando com atobás, gaivotas e albatrozes…ficando cada vez mais preto, de um sol que me deixa cada vez mais mamífero em todos os sentidos…buscando com pertinácia atingir o máximo de simplicidade que pode atingir um ser humano…e me esquecendo da pouca valia dos títulos, cargos, vaidades, etc…que apequenam a visão da gente e nos levam ao inferno paroquiano e interiorano.
    Aqui sou apenas o “Gaúcho” e me misturo ao povo mané…na intenção clara de me tornar um deles e aqui morrer. Sem jamais mostrar superioridade ou soberba de espécie alguma.
    Querem que ministre aulas na Faculdade de Turismo e Hotelaria daqui. Mas não sei se aceito. Com uma segunda aposentadoria que conquistei, com 3 filhos formados e empregados, o que ganho dá e sobra para gerenciar a minha vida e a da minha “mártir”…
    Vou postando fotos e escritos caolhos no meu blog, apenas para não desaprender totalmente de escrever.
    Abraço fraterno do
    PIZARRO

  5. 5 James Pizarro

    o nome certo do blog é :

    http://www.professorpizarro.blogspot.com

  6. Professor Ronai! grande satisfação! estou escrevendo algumas bobagens nesse blog: http://marketingarden.blogspot.com/ e lendo muito outros para aprender. Indiquei seu blog para a minha legião de leitores. Grande abraço!

  7. Buenas Ronai
    Nesses tempos longe de Santa Maria, teus comentários ecléticos me permitem equilibrar e “ajustar” as informações dos veículos de comunicação tradicionais.
    Um abraco
    Lovatto

  8. 8 Rubens Machado

    Olá Professor Ronai, que prazer em encontrá-lo! Já havia feito algumas visitas ao Moranafilosofia até cheguei a baixar umas fotos. Tive problema para baixar textos; quando cliquei no link “Algumas leituras de filosofia”foi parar na apple (ha!ha!ha!). Tenho baixado textos filosóficos sempre que possível. Quero comprar o seu livro “Ensino de Filosofia e Currículo”. Encontrei um comentário no criticanarede, ou aartedepensar, não lembro agora, e fiquei muito interessado. Já tem na CESMA?
    Abração

  9. 9 Henrique Severo

    Professor Ronái,
    sou vestibulando, e venho lhe constatar algo que talvez nem mesmo a banca de filosofia tenha percebido. Em outras palavras, o que quero dizer é que o programa de conteúdos de filosofia da ufsm não apresenta o conteúdo de forma detalhada, com isso os professores (e professoras), dos “cursinhos” e colégios, apesar de não admitirem, passam os conteúdos sem segurança alguma, tendo em vista a vageza do programa de matérias (desculpa-me a repetição da idéia). Ou seja, teóricos como Stuart Mill surgem em provas como a do Vestibular Extraordinário, e nós, meros estudantes de nível médio, sem nunca ouvir falar do mesmo, somos obrigados a fazer uma interpretação acadêmica sobre um texto do mesmo- lembrar que a nossa capacidade de leitura, ainda, não alcançou um nivel acadêmico. Convém, também, lembrar das sacadas de lógica, que regularmente aparecem com termos desconhecidos, ou que não são comentados nas nossas salas de aula, como a tal de ”falácia por composição” que surgiu no vestibular ead, e outras mais. Por isso tudo professor, peço-lhe algo que possa orientar os estudos de vestibulandos, que assim como eu, sentem-se perdidos em relação ao excelente vestibular da ufsm. Para isso, sugiro um programa que detalhe mais os pontos a serem cobrados no campo da lógica, e uma lista de filosofos que a banca tem maior predileção (pois conhecendo previamente o pensamento dos mesmos, garanto-lhe que a interpretação se torna mais “digesta”).
    Bom professor, gostaria de agradecer a oportunidade de poder me expressar. Além de te dizer que gosto muito de teu blog, o qual foi indicado por um professor de um cursinho.
    Ah, espero ansiosamente alguma resposta!
    Henrique Severo.

  10. 10 Cecilia

    Profe, tanto tiempo! Como dice Aguinaldo, cuando lo buscamos lo encontramos. A proposito de esto, necesito saber si por casualidad usted tendría escaneado el texto de Tugendhat “propedeutica lógico-semántico. Aquí en Argentina no llegó aun y me ofrecieron dictar un seminario sobre Frege y me pareció que este texto sería interesante de ser trabajado. Si usted no lo tiene, podría indicarme quien podría escanearlo para mi. Yo giraría el costo de este trabajo. Muchas gracias.

  11. 11 silvalina

    Bom, tivemos, então, uma experiência parecida com o blogspot. Na tentativa de reorganizar, desorganizei tudo e fui parar no wordpress. Diga-se de passagem, bem melhor.
    Parabéns pelo blog.

    Daiani Ferrari

  12. 12 Jorge Telles

    A INDIADA BRUTA
    Quando a Cia Swift adquiriu a Charqueada Union del Rozario de capital uruguaio, em Rosário do Sul no ano de 1917, o grande problema enfrentado pelos gringos foi o de mão de obra. A única conserva de carnes que a gauchada sabia fazer era o charque, coisa que o sábio Assis Brasil associava com a estopa.
    Para suprir essa falta foram importados centenas de uruguaios e argentinos, elementos já descartados pelos frigoríficos Tablada de Montevidéo e Cold Storage de La Plata, na Argentina. Entre esses, muitos eram truculentos e brigões, com idéia revolucionárias para a época como sindicalismo e anarquismo. Para os altos funcionários que vieram do Estados Unidos a Swift construiu um bairro típico americano com cottages (chalés) e o campo de golfe que existem até hoje, além de ainda formar a sua própria polícia, tudo aos moldes americanos. Com a chegada desses estrangeiros surgiu o problema de acomodação. Para isso foram construidos os tétricos e afamados Quartos Brancos, entre o campo de golfe e a estrada de ferro, que mais nada eram que grandes celas onde era internado esse pessoal para o descanso. Oportunamente até merece um estudo maior a forma como eram tratados esses infelizes funcionários platinos, que eram acordados ao som de potentes pauladas num grande sino que ficava entre os referidos quartos. Sem muitas delongas e abaixo de gritos entravam em forma e eram levados como gados para o serviço. No caminho cruzavam com a outra leva que tinha cumprido o seu turno de serviço e retornava para os Quartos, onde ocupariam as mesmas camas recém desocupadas e ainda quentinhas. Volto mais tarde Jorge Telles.

  13. 13 Jorge Telles

    Hoje os famosos Quartos Brancos ainda existem, foram vendidos, repartidos internamente e transformados em confortáveis residências. Quase nada mudou em sua aparência externa a não ser algumas janelas que foram mudadas, trocadas pelas originais que eram muito altas para evitar fugas. Durante as Primeira e Segunda Guerras Mundiais, a Swift chegava a ter 3 turnos de oito horas, funcionando 24 hs. sem parar. Era gigantesco o esforço de guerra do Tio Sam. Especialmente para o Segunda Guerra a Swift já recrutava operários entre os desocupados das cidades vizinhas de Rosário como Cacequi, Alegrete e São Gabriel. Ainda volto. Jorge Telles.

  14. 14 Jorge Telles

    Sobre a fome que passava a população de Rosário do Sul nos primeiros anos do século passado existem muitas testemunhas e relatos. O principal é o do escritor Josué Guimarães, nascido em São Gerõnimo em 1921, filho de um telegrafista dos Correios que foi transferido para Rosário no mesmo ano de seu nascimento. Faltava comestíveis na cidade, o leite por exemplo ninguém tirava, isso que as vacas eram soltas pela cidade e até pastavam na praça. Quando tiravam era só para fazer queijo. Com didficuldades se conseguia trigo, batatas- doce e charque, esse até tinha em abundância. A dieta do gaucho pobre da fronteira sempre foi muito pobre. Bem diferente do que contam os arautos do tradicionalismo que o Rio G

  15. 15 Jorge Telles

    Sobre a fome que passava a população de Rosário do Sul nos primeiros anos do século passado existem muitas testemunhas e relatos. O principal é o do escritor Josué Guimarães, nascido em São Gerõnimo em 1921, filho de um telegrafista dos Correios que foi transferido para Rosário no mesmo ano de seu nascimento. Faltava comestíveis na cidade, o leite por exemplo ninguém tirava, isso que as vacas eram soltas pela cidade e até pastavam na praça. Quando tiravam era só para fazer queijo. Com dificuldades se conseguia trigo, batatas- doce e charque, esse até tinha em abundância. A dieta do gaucho pobre da fronteira sempre foi muito pobre. Bem diferente do que contam os arautos do tradicionalismo de que o Rio Grande sempre foi farto. Outro testemunho forte é o do Padre Estanislau, o padre da Cabras, aqui de Santa Maria. Foi hercúleo o seu trabalho pelas campanhas na tentativa de reeducar a alimentação das populações no plantio de hortas e criação de cabras para a produção de leite

  16. Ronai, excelente teu blog e fotos no flickr. Tenho um trabalho musical nomeado Graxaim e gostaria de utilizar as belas fotos que retrataste destes bichos. O que achas?

  17. A propósito, meu trabalho musical está hospedado em http://www.myspace.com/graxaim

  18. I’d a different brand befor Green Light up and I could not get away from genuine cigs~urge too fantastic. I have been cigarette smoking for over 20yrs now and thanks to Environmentally friendly Smoke My partner and i and my hubby have not had the desire to go back to regular cigarettes. Product is simple to use, affordable and feels and also tastes like a real cigarette.

  19. Bom dias,

    Meu nome é Ben Whiting, e eu trabalho para uma empresa de Marketing. Nós temos clientes que estão interessados em publicar artigos patrocinados em seu site (https://ronairocha.wordpress.com/).

    Isso é algo que você consideraria? Você pode escrever o artigo, ou nós podemos escrevê-lo para você (mencionando nosso cliente). Você que decide o que será melhor para você.
    Desculpe pelo meu português, espero que seja tranquilo se nós pudéssemos conversar em inglês.

    Aguardo ansiosamente por sua resposta e por favor, se quiser perguntar algo, vá em frente.

    Ben Whiting


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: