Sobre uma suposta demanda por israelenses na Ufesm

03jun15

Na tarde de hoje a comunidade universitária de Santa Maria viu-se às voltas com um provável escândalo, motivado por um suposto memorando de uma pró-reitoria da mesma. Ei-lo:
Captura de Tela 2015-06-03 às 19.55.45
Suprimi o nome da autoridade universitária que o assinou, pois, como todo mundo, estamos por enquanto, lidando apenas com suposições e hipóteses.
Espera-se, nas próximas horas, que as entidades citadas esclareçam o episódio.
Na melhor das hipóteses, tudo é fake e restará saber quem foi o autor de semelhante sandice.
Na pior das hipóteses, a Reitoria, a Sedufsm, o DCE e a Assufsm deveriam demitir suas diretorias, por uma simples razão: o pedido de uma lista de “israelenses”, em nome da “causa palestina” seria da ordem do crime, ponto.
Há um fato, no entanto, que pesa sobre nossas cabeças, como uma espada. É fato que no dia 28 de agosto de 2014 (como consta na página da Sedufsm), “as entidades sindicais e DCE, requereram informações se haveria na UFSM algum projeto sendo desenvolvido em parceria com a empresa israelense Elbit”. Na ocasião, as entidades envolvidas, como consta na matéria, afirmaram que, estando a Elbit envolvida com as guerras na região, ela seria também responsável pela forma como os palestinos são reprimidos. As entidades queriam saber se a Ufesm estava comprometida com “pesquisas bélicas”. Na reunião o reitor da Ufesm disse que desconhecia o assunto, mas que se fosse assim como descreviam as entidades, seria contra.
Também há de ser lembrado que as entidades citadas no suposto memorando promoveram manifestações na praça Saldanha Marinho a favor da causa palestina.
Todos nós somos livres para apoiar as causas que julgamos justas.
Mas isso de pedir a lista dos israelenses que trabalhariam na Ufesm ultrapassaria qualquer noção.
Para que serviria tal lista? Para perguntar a eles se estariam envolvidos em “projetos bélicos”? Ah, bem!
Se for comprovado, tamanho enredo somente seria resolvido, como disse acima, com a demissão da diretoria de todas as entidades envolvidas, sob pena de serem, daqui para a frente, personas non gratas em qualquer espaço publico local, nacional, internacional.
Mas, repito, apenas se forem confirmadas as absurdas hipóteses que me levaram a escrever isso.

Anúncios


One Response to “Sobre uma suposta demanda por israelenses na Ufesm”

  1. 1 Alexandre

    Caríssimo Ronai,

    Escrevi um email pessoal ao pró-reitor substituto de pós-graduação e autor do memorando para saber se o memorando era real ou forjado. Para minha surpresa (pois eu não esperava uma resposta), ele me respondeu e confirmou a autenticidade do memorando – bem entendido, o que me surpreendeu foi que ele tenha me respondido, mas para quem (como eu) acompanha de perto o desenrolar das campanhas neo-antissemitas na Europa, nos EUA, na Argentina e na Venezuela, não me surpreende o conteúdo do memorando em si. Era só uma questão de tempo para que esse “novo” antissemitismo desse as caras no Brasil, disfarçado de antissionismo.

    O que já está claro que aconteceu é que o pró-reitor substituto caiu no conto do vigário e acabou cedendo à pressão dos psico-maníacos que todos nós, professores da Ufesm, permitimos que nos representassem junto aos nossos patrões em Brasília. O simples fato de ele ter respondido ao meu email pessoal já comprova que ele não tinha nem 50% de noção do veneno que lhe foi instilado e que ele repassou.

    Já fui informado que a consequência – drástica – está a caminho e chegará em breve na forma do que será, pelo menos para os diretamente envolvidos, um inesquecível processo judicial que trará ainda muito mais vergonha do que já está trazendo à Ufesm por todo o país e até no exterior. Na “melhor” hipótese, a imprensa local abafará o barulho a pedido do alto e médio clero. Na “pior” hipótese, teremos um ou mais professores da Ufesm respondendo por crime de racismo e sendo equiparados a neo-nazistas da laia do Castan (lembra-se do caso?)… e com o agravante de que o sobrenome alemão de nosso colega já está suscitando o preconceito na mão oposta advindo da grande maioria lusonímica do resto do país…

    É importante observar que a maior e mais original das culpas por este lamentável episódio está exatamente com os psico-maníacos suprareferidos. Chega a ser surreal que mais de 1800 docentes aceitem calados e submissos uma ditadura sindical como a que hoje nos assola. Desde quando é atribuição de sindicato a defesa de causas/ideologias políticas, sejam elas quais forem? Onde já se viu sindicato de professores se envolver e até patrocinar causas (como a palestina) que nem brasileiras são – e mesmo que fossem, não são nem poderiam ser do interesse dos professores como segmento profissional… O que esse episódio mostra, escancaradamente, é que usar o que é público como se fosse a própria casa é a regra da corrupção que destrói o país desde o presidente aos cargos executivos das universidades federais.

    Por fim, o pior de tudo isso é que a “causa palestina”, para quem conhece a história do OM, é uma não causa, falsamente vendida como causa nacional por líderes islamofascistas, desde antes da criação do Estado de Israel, que inclusive colaboraram diretamente com os nazistas durante a II Guerra, e, depois desta, deram abrigo e emprego para criminosos nazistas que se abrigaram no OM e colaboraram com ditadores locais em seguidas guerras (com declarada intenção genocida) contra Israel. Que a esquerda que se diz socialista defenda o islamofascismo desde pelo menos a guerra de 1967 já demonstra, e há tempo, que de democrática só tem a fachada, e que não se saiba nada da história do OM no Brasil e nem sequer exista tradução para o português de toda a literatura a respeito é uma vergonha num país com centenas de universidades… Mas será que nossos colegas professores se importam com isso?


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: